Artigo de Opinião

Primeiro estranha-se, depois entranha-se!

É imperativo inovar o modo como produzimos, utilizamos e regeneramos, para que o plástico não acabe no lixo residual, mas que assuma um papel importante dentro do ciclo da economia circular.

No dia 3 de julho, celebra-se o Dia Internacional Sem Sacos de Plástico, com o objetivo de consciencializar a sociedade sobre a urgente questão da poluição provocada pelo plástico. A celebração desta efeméride, vai ao encontro das novas orientações europeias: reduzir o lixo, ajudar a desenvolver a economia circular e promover um futuro mais sustentável para todos.

Como é de conhecimento de todos, desde fevereiro de 2015, que os sacos de plástico têm um custo associado, uma medida que inicialmente estranhamos, mas que ao longo do tempo “entranhamos”, passando a ser comum reutilizarmos sacos de plástico ou darmos mais uso aos sacos de outros materiais. Algo semelhante acontecerá este ano, através da proibição da utilização de talheres, pratos, palhinhas, agitadores de bebidas, copos, recipientes para bebidas, cotonetes, varas para balões e todos os outros produtos feitos de plástico oxodegradável. Estas medidas partem da Diretiva (UE) 2019/904 com o intuito de reduzir o impacto destes produtos de plástico no ambiente e acompanhar os objetivos desenvolvimento sustentável (ODS 2030) das Nações Unidas.

Discute-se que, uma das estratégias para alcançar o desenvolvimento sustentável baseia-se na transição de uma economia linear para uma economia circular, mas afinal o que distingue estas economias?

A economia linear é um modelo económico que surgiu durante a era industrial, com o princípio de produzir, utilizar e “deitar fora”. Por consequência, este modelo tem proporcionado uma procura crescente de matérias-primas (muitas delas escassas e finitas), um aumento no consumo de energia e mais emissões de CO2 para a atmosfera. Neste contexto, torna-se urgente transitar para uma economia circular, que prevê trazer vantagens nos três pilares que compõem uma sociedade: ambiental, económico e social.

A economia circular é definida como um circuito fechado, restaurativo e regenerativo por princípio, que deve ser pensado desde a etapa da produção, com vista a manter o máximo valor e utilidade dos produtos, componentes e materiais na máxima utilidade e valor ao longo do tempo. Este modelo económico, almeja a partilha, reutilização, reparação e reciclagem dos produtos. Mesmo quando um produto chegar ao fim da sua vida útil, os seus materiais devem ser mantidos dentro do ciclo sempre que possível, de forma a serem usados repetidas vezes e que o desperdício seja reduzido ao mínimo, saindo apenas o lixo residual do ciclo.

O plástico tem ainda um papel central na indústria e no nosso dia a dia e, apesar de tentarmos evitar o seu uso, este material continuará a estar presente no nosso quotidiano, mas terá de assumir uma forma diferente. Por esta razão, várias associações têm dado o seu contributo através da transformaçãodo plástico em obras de arte ou até mesmo empresas, que através da recolha de plástico nas praias portuguesas tem produzido sandálias, chinelos e até mesmo ténis, em defesa da pegada ecológica.

É imperativo inovar o modo como produzimos, utilizamos e regeneramos, para que o plástico não acabe no lixo residual, mas que assuma um papel importante dentro do ciclo da economia circular.

Publicado por:

Jéssica Abreu Teixeira

Data de Publicação:

03 Jul, 2021 às 11:43

Partilhar:

Ver Todas as Opiniões

Contacte-nos

Segunda a Sexta
(9h30 às 13h00 / 14h00 às 17h30)

Morada

Rua São João De Deus 40 S
9300-041 Câmara de Lobos

Telefone

(+351) 291 944 757